Trabalho demais, estresse, internet e outros fatores situam o Japão entre os principais países que “não dormem”.

Cerca de 90% dos japoneses dorme por volta de 1h da manhã. Gráfico: Mainichi

Cerca de 90% dos japoneses dormem por volta de 1h da manhã. Gráfico: Mainichi

Uma pesquisa de 2015 realizada pelo centro de pesquisas culturais da NHK “Bunken” revelou que “mais de 90% das pessoas dormem por volta de 1h da manhã”. Os números, relativos a 2000, mostram que ano após ano o horário para dormir tem ficado mais tarde no Japão. Em 1941 essa média era por volta das 22h50.

 

Japoneses dormem em média 470 min ou 7h50. Gráfico: OCDE

Japoneses dormem em média 470 min ou 7h50. Gráfico: OCDE

Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) a média de sono dos japoneses é de 7 horas e 50 minutos, atrás apenas da Coreia do Sul em “sono curto”. Em comparação, os franceses dormem cerca de 1 hora a mais.

 

Em entrevista ao jornal Mainichi, o pesquisador do Centro Nacional de Neuorologia e Psiquiatria, Kazuo Mishima, chegou a afirmar que “a sociedade japonesa passa por uma falta de sono crônica. Já está perto do limite. É preciso pensar como um problema social”.

 

O perfil daqueles que dormem pouco é composto por pessoas que costumam trabalhar até altas horas da noite, ficam navegando ou têm o ritmo de vida alterado pela exposição excessiva à iluminação noturna.

 

“A falta de sono diminui o poder de concentração, afeta a tomada de decisões e pode desencadear acidentes de trânsito ou de trabalho”, reforça Mishima. Em perdas econômicas, a falta de sono representa cerca de ¥ 3 trilhões.

 

Os dados revelam também que 30% dos trabalhadores fazem turnos à noite, com riscos de enfrentar problemas de saúde como disfunção intestinal, câncer, diabetes e pressão alta.

 

QUEDA DA QUALIDADE DE VIDA

 

O Japão tem registrado um aumento de casos graves de distúrbios do sono. Uma pesquisa realizada pela farmacêutica MSD com 7.827 pessoas entre 20 e 79 anos de idade revelou que 40% apresentam sintomas de insônia, como por exemplo:

  • dificuldade para dormir
  • acordar algumas vezes à noite
  • sensação de falta de sono ao acordar

Esses sintomas citados acima podem desencadear distúrbios neurológicos e fisiológicos que afetam o cotidiano. Quando esses sintomas aparecem três vezes por semana e duram mais de três meses, essas pessoas são diagnosticadas com “insônia”.

 

Quantas horas você dorme em média por dia?

View Results

Carregando ... Carregando ...

Comentários

comentário(s)

Pin It on Pinterest